publicidade

Margit Weise voltou ao palco onde iniciou a carreira de atleta


Desempenho nas Olimpíadas Estudantis rendeu convocação para a seleção


Escrito em 29/07/2019


Tudo começou lá em 1974, quando Margit Weise colocou os pés pela primeira vez na pista de atletismo do Estádio Municipal Alfredo João Krieck, iniciando a carreira vitoriosa que lhe rendeu 84 medalhas, entre elas 57 de ouro nos Jogos Abertos de Santa Catarina.

Na semana passada ela retornou a cidade natal como técnica e conquistou o título do atletismo feminino por Joinville, da 32ª edição dos Joguinhos Abertos. Outra coincidência é que a delegação joinvilenses esteve alojada na Escola Henrique da Silva Fontes, justamente onde Margit deu as primeiras passadas, correndo na rua Jacó Finardi, no bairro Canta Galo.

O troféu de campeão no feminino, na avaliação da treinadora, é algo significativo, especialmente por recordar toda essa carreira ao longo de 35 anos. Já em seu segundo ano de Jasc, competindo por Rio do Sul, foi quinta na prova dos 1.500. Mas a glória mesmo foi nos jogos de Chapecó, quando conquistou medalha de prata nos 800 e bronze nos 1.500 metros.

“Tinha recém completado 16 anos ganhei a primeira de ouro, batendo inclusive o recorde dos 800 metros e dos 1.500”. Depois de se transferir para Joinville, passar por Blumenau e retornar a Rio do Sul, de onde saiu novamente para Chapecó, Margit voltou a Joinville iniciando a vitoriosa carreira como técnica.

Margit disse que perdeu a conta de quantos títulos ganhou nos joguinhos, no masculino e feminino. “Já chegamos a ser oito vezes campeões seguidos”. Mas o que a treinadora considera mais importante não são as medalhas e os títulos. “O importante é o trabalho de formação de novos atletas”.

Ela lembrou o caso de Tamires de Liz, que, aos 16 anos, foi terceira do Campeonato Mundial, na prova de revezamento 4 x 100, competindo contra os que tinham até 20. O passado, o presente e o futuro de Joinville estão competindo em Rio do Sul. Aline Bandeira, que mantém o recorde desde 2006 nos 800 metros, integra a equipe de treinadores. Kaynan Hack, seis medalhas de ouro e atual recordista dos Jasc nos 400 com barreira. Camilly Caroline dos Santos, medalhista nos joguinhos.

Fonte: Orlando Pereira/ Especial Assessoria de Imprensa Fesporte

Veja as fotos:

Margit relembra os momentos do início de sua carreira em Rio do Sul, cidade natal (Foto: Orlando Pereira) A jovem Margit (primeira à esquerda), em 1974, compondo a equipe de atletismo de Rio do Sul (foto: arquivo pessoal)

PUBLICIDADE

Publicidade
Publicidade
Publicidade